Projetos

 Torquatália 

O show TorquatáLia é um mergulho da cantora e atriz Lia Lordelo no universo poético de Torquato Neto. Um dos principais artífices da Tropicália, Torquato Neto expandiu sua atuação para além da poesia e da canção popular, investindo em outros meios como o cinema marginal e a arte editorial.
TorquatáLia traz Lia Lordelo acompanhada pelo trio Laia Gaiatta, formado por Heitor Dantas, que faz a direção musical, Uru Pereira e Antenor Cardoso, além de Edbrass Brasilque assina a direção artística e também integra a banda. O repertório do show, que teve estréia no dia 29 de abril de 2017 no Festival Paisagem Sonora (em Cachoeira/BA), inclui as parcerias de Torquato com Gilberto Gil, Edu Lobo, Caetano Veloso, Jards Macalé e Carlos Pinto. Em Salvador, TorquatáLia de apresentou no Teatro Gregório de Mattos, dia 06 de agosto de 2017; e nos meses seguintes, em mais dois festivais: o Tristes, Loucas e Más: festival de mulheres em cena, e o Balada Literária. O show ainda participou da Ocupação LaláB, a convite da casa, em 2018; e do Edital de Ocupação da Sala do Coro do Teatro Castro Alves, em 2019. Nessa ocasião, os artistas lançaram o single Mamãe Coragem, atualmente disponível nas principais plataformas digitais.







 Dominicaos 

Iniciado em 13 de outubro de 2013, no Carmo13, localizado no Santo Antônio Além do Carmo, onde foram realizadas seis edições até dezembro, deslocou-se para o Café da Walter, no Foyer da Sala Walter da Silveira, e ali permaneceu de 13 de abril de 2014 até 23 agosto de 2015.
Imediatamente, em 13 de setembro do mesmo ano passou a ocupar a Casa Antuak, onde foi feita a festa de 2 anos em 25 de outubro de 2015. Em novembro foi inaugurada a temporada ano3, que será retomada agora, 10 abril.
A ocupação Dominicaos ganha relevância a cada ano por suas características de zona aberta a múltiplas manifestações artísticas, principalmente as de caráter ousado e inquietante, de exploração e interpenetração de linguagens. Fanfarra, música da câmara, cinema experimental, explorações verbais, usos do corpo, sons aleatórios e pista de dança compõem hoje o programa de fim de semana Dominicaos.
A Casa Antuak, por suas condições especiais, fez com que o Dominicaos passasse por outra mutação, fazendo surgir novas atrações, como NACÂMARA; - sessões de música experimental de concerto; TERREIRO LIVRE - espaço para intervenções instantâneas desprogramadas, e PÉ-NA-PISTA, que encerra o evento em clima de festa com um DJ especialmente convidado a cada edição.
O Dominicaos, ocupação iniciada por Heitor Dantas, Orlando Pinho e Lua Costa, tem sua frente agenciadora completada agora por Daniel Guerra e Alex Simões, ampliando suas possibilidades de irrupção de experiências singulares.







 O Tal do Autoral 

O projeto, produzido pela própria Laia, visa fortalecer o circuito de música autoral na cidade, agregando artistas e público interessado na nova música produzida aqui.
O Tal do Autoral Vol.1 foi realizado em outubro de 2016, no recém reaberto Coaty (casarão projetado pela arquiteta Lina Bo Bardi), e a cada sexta recebeu um artista convidado. Foram eles: Lívia Nery, Tropical Selvagem, Enio e Toco y Me Voy.








 Amor: Sem Letra, Em Litros 

Trata-se de uma performance verbo-cênico-musical onde o material textual e sonoro da canção Amor Sem Letra, de Heitor Dantas e Orlando Pinho, serve de base para a livre improvisação do trio Laia Gaiatta. A instrumentação apresenta elementos como um fagote processado por pedais de efeito, sucatas amplificadas por microfones de contato, guitarra preparada, sintetizador e vozes manipuladas por computador. Samples eletrônicos e colagens sonoras de textos e músicas também são utilizadas. Tudo isso na busca de expandir o universo estético e semiótico da canção em questão. A apresentação conta ainda com a participação do poeta e performer Orlando Pinho que se utiliza de objetos como sinos, pratos, talheres e chapas de metal percutidas com um martelo. Essas peças servem como fontes sonoras e também como objetos cênicos, utilizados em sua performance, além de textos lidos diretamente de livros espalhados pelo chão e vocalizações aleatórias que exploram as possibilidades do sistema fonador.



 Zine Telepatta 

Zine gráfico-textual produzido por Heitor Dantas. É feito à base de caneta, lápis de cor e cera, tinta guache e colagem de materiais diversos. Ocupa 1/4 de folha sulfite A4 frente e verso, e é impresso em P&B, cortado e dobrado. É editado mensalmente com tiragem limitada de 40 cópias e circula pela cidade gratuitamente.

Alguns locais onde encontrar:
midialouca (Rio Vermelho e Pelourinho)
Mutantes
Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha
Teatro Gamboa Nova
Livraria LDM (Espaço Itaú de Cinema)
Bardos Bardos
ICBA